terça-feira, 18 de outubro de 2011

#38

Hoje tive um sonho mau. Mas daqueles que ao acordar nem me conseguia mexer, estava a chorar e a gemer e sentia muito peso em cima de mim.
Sonhei que fui ter com ele ao fim do mundo que ele agora chama "meu país". Ele estava na praia, numa descontração que me deixava magoada. Fiquei a observá-lo: foi fazer acrobacias com o pai para a água, só para os outros olharem. Pensei: que lindo! (inserir ironia)
Quando se foi deitar na toalha, fui ter com ele. Os pais afastaram-se. Disse-lhe que queria a verdade e que não queria que aquela viagem fosse em vão. Queria sair daquele país com a certeza de que levava a verdade comigo. Ele estava completamente indiferente ao que eu dizia; deitado de lado a vê-las passar, sem parecer me prestar atenção. Até que falou.
Disse-me que sim que me tinha traído, que precisava de sexo quando eu não estava. Mas que tinha sido apenas sexo. Eu chorei compulsivamente e perguntei como podia ser tão fútil. Ele continuou indiferente.
Dei-lhe um sermão e perguntei se havia mais e ele disse que sim e começou a enumerar nomes de mulheres que eu nem conseguia acompanhar contando pelos dedos das mãos, pois não tinha dedos suficientes. Perguntei-lhe se tinha estado também com a Paula (mulher essa que eu tenho quase a certeza que foi com quem me traiu - física ou psicologicamente - na realidade). Ele disse que sim com a maior das naturalidades...

Nisto acordo em soluços, com a minha mãe desesperada por me trazer à realidade. Tenho aqui um vazio, um medo que isto seja uma possível realidade. Que afinal ele ainda é pior do que o pinto.

Ele está no outro lado do mundo e não vai voltar. É verdade sim. Mas eu contínuo aqui sem explicações, porque ele tem medo de me magoar mais e tem medo que eu o odeie! Esquece isso, missão falhada. Só está a fazer pior.

Eu vou deixar o tempo andar. Mas antes do ano acabar ele vai receber notícias minhas. Porque se quero riscar 2011 da minha história, ele tem de me contar tudo. E vai ser nesse dia.

8 comentários:

João disse...

Sem saber o que te responder deixo-te um forte abraço

S* disse...

Melhor deixar tudo em pratos limpos do que sofrer na dúvida.

#Sí disse...

Nem sei que te diga Cat, eu já senti o que estás a sentir, acordava a meio da noite com uma sensação de vazio tão grande, que parecia que estava noutra vida e noutra dimensão...não se explica.
Estou curiosa em relação ao que irá acontecer, porque tenho acompanhado a história desde o inicio.
Que pretendes fazer? Tens falado com ele?
Boa sorte para ti, força!

Dexter disse...

Comentando ali o post de cima (fechaste os comentários?), porque é que não o apagas do Facebook? Pelo menos não sofres...

Cat disse...

Dex, eu sou muito curiosa e ia remoer-me cá dentro não saber nada dele. Sim estou naquela fase obsessiva, em que quero saber todos os passos dele, na esperança de ver uma qualquer luz.
Sim, sou muito parva e isto vai levar-me um tempo.

Dexter disse...

Bem, felizmente nunca passei por isso (mas acho que já fiz passar), por isso para mim falar é fácil. Mas acho que devias fazer um esforço para tentar desligar-te. Sofres à mesma, óbvio, mas talvez passe mais rápido. Porque mais tarde ou mais cedo, o tempo ajuda a atenuar..

Petra disse...

Como dizia um professor meu, a angústia é das maiores dores, e nem sempre fácil encontrar-lhe um analgésico. Mas passa, hade passar sim.

ladybug disse...

Um conselho... o ditado «longe da vista, longe do coração» cada vez faz mais sentido para mim. Mas melhor que isso é lutares para viver, um dia de cada vez. Qto menos souberes dele, melhor. Só te desgastas e sofres sem necessidade. Ainda que hoje te pareça impossível, um dia vais olhar para trás e ver que és mais forte do que pensavas. E amanhã o sol nasce de novo...