sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Carta ao ano de 2011

Caro ano 2011,

é com grande felicidade que te digo adeus. Em tudo, mas tudo, foste mau.
Não sou de superstições e na passagem do ano de 2010 para 2011, não comi as passas, não bebi o champagne, não estreei umas cuecas azuis nem me suportei com o pé direito em cima de uma cadeira. E sabes porquê? Porquê no final do ano de 2010 era uma pessoa segura, com fé e sonhos que acreditava que nada poderia me roubar o sorriso ou apagar a minha luz no caminho da felicidade.
2010 foi O Ano, um grande ano e eu tinha certeza que tudo estava encarreirado e planeado para ti 2011. Mas tu conseguiste acabar com tudo. Tu e o destino, os dois em plena conspiração permitiram que tudo me fosse tirado. Desiludiste-me!
Entrei em ti, 2011, com a certeza que estava a tirar o Mestrado certo, com o namorado e a história perfeita, sem problemas financeiros, em harmonia com a família e os amigos, com a certeza que iria para outro país trabalhar e que tudo à minha volta tinha uma força natural para continuar a percorrer o caminho da felicidade.
Mas logo me presenteaste com desilusões, umas atrás das outras. Primeiro o desinteresse pelo Mestrado e todas as dificuldades que atravessei. Depois com a dívida que fui obrigada a contrair, ao ponto de me ver obrigada a vender bens pessoais para poder pagar as propinas e me sustentar por mais algum tempo. Permitiste que Ele me deixasse com o coração desfeito em mil pedaços sem uma única justificação e que fugisse para o mais longe possível. Admitiste que fosse e seja explorada num trabalho que não gosto. Entre outras coisas que me foram matando por dentro no decorrer dos longos 365 dias da tua vida.

Tudo foi mau. Mas digo-te uma coisa: Eu estou aqui, de pé, a aplaudir-te. Foste muito bom nas tuas jogadas...mas não o suficiente para me deixar por terra.
2012 está aí à porta e há quem diga que a felicidade é feita de pequenas coisas. Portanto eu desejo que 2012 traga muitas coisinhas para mim, porque depois desta guerra, eu mereço paz.

Até sempre 2011. É já amanhã que posso riscar-te do meu mapa. Vou esquecer que alguma vez exististe. Disso podes ter a certeza.

Arranca e não faças pó!

Cumprimentos sinceros,
Cat, a Desesperada.



PS: "Nunca se perde realmente até se desistir de tentar".

2 comentários:

eu sou assim disse...

Grande foto! As minhas expetativas para 2011 também eram muito boas e também tive um ano difícil! Também estou a contar com ele, com o 2012! Um grande ano para nós! :-)

faa aa disse...

Sempre ouvi dizer que quando estamos a ficar bem, a erguernos, aparece uma martelada vindo do nada para nos deixar por terra outra vez, depois temos de nos levantar outra vez.

Já me aconteceu várias vezes, mas mesmo assim não quero acreditar nesta teoria.

Espero que te levantes e fiques bem por muito tempo :)

Bom ano!