domingo, 2 de outubro de 2011

#13

Ainda não acredito que tudo isto aconteceu.
Tínhamos uma relação forte, uma coisa sólida, uma coisa com pés e cabeça. Pelo menos pensava eu.

Éramos felizes. Nunca me mostrou que estava insatisfeito seja com o que fosse. Tudo era/parecia perfeito. Estava sempre presente mesmo quando estava a quilómetros de distância e eu igual, estava sempre ali. Sabíamos o que cada um fazia e não o contávamos por acharmos que era uma obrigação, mas sim porque queríamos estar presentes na vida um do outro constantemente. Estarmos separados era martírio.

O que falhou no meio disto tudo?

Porquê chegou e simplesmente e disse que ia embora? Que tudo acabou porque o sentimento se dissipou? Que não estava preparado para uma vida a dois? Isto são as desculpas?
Que foi que fiz eu? Ou melhor: o que foi que ele fez? O que mudou?
Estas são perguntas que me vão apodrecer a mente durante muito tempo, mesmo que ele me peças mil vezes perdão, me invente outras tantas desculpas parvas e me implore para não sofrer. Porque são as únicas coisas que me diz. Ou que me dizia. Porque já de há muito tempo para cá, o resto da nossa relação remeteu-se a um silêncio rigoroso.

Nada do que a boca dele diz me convence. É tudo mentira. Disso tenho certeza.

Eu só queria saber o porquê, o motivo verdadeiro. Porquê tanto me esconde a verdade.

O facto de ele estar do outro lado do mundo, de ter fugido de mim a sete pés assim que teve oportunidade, sinceramente, já não me diz nada. O choque foi tão grande que eu já nem sei o que pensar disso. Mas o facto de ele não me ter dado uma explicação válida, remói-me. Não. Eu não acho que tenha algum tipo de culpa na decisão dele, porque eu simplesmente dei tudo de mim. Fui dele, inteiramente.

Só não quero viver assim para sempre, com esta dúvida que se agarrada a todos os meus momentos de reflexão...





Muita gente me diz que eu não o deveria largar enquanto não me desse uma explicação. Mas essas pessoas não imaginam a dor que é ouvir tudo o que ouvi da boca da pessoa que achava que me amava incondicionalmente, e que até então me tinha dado todos os dias provas disso. Foi tudo muito contraditório.
Doeu! Doeu muito! Uma dor estranha. Quase como irreal. Parecia mentira, tudo mentira. Parecia pesadelo.
A essas pessoas digo também que não consigo andar atrás das explicações dele, pois só tenho medo que doa ainda mais.

O pior de tudo isto é que ele fez de mim uma pessoa pior. Uma pessoa que não acredita que alguém pode amar de verdade, alguém que acha a felicidade um termo absurdo e que não tem sonhos.

11 comentários:

S* disse...

Eu acho que não te deves torturar com isso... infelizmente, imagino que o facto de não conheceres o MOTIVO seja tortuoso. Prefiro sempre saber... ou que gosta de outra pessoa, ou que não gosta de mim, ou o que for... mas a indefinição é uma tortura.

Mas não concordo que devas andar atrás dele até te dar uma resposta. Acho que as coisas não são assim. Quando alguém não nos quer, não devemos insistir. Isso não vai ajudar nada... só nos faz mal.

Cat disse...

Eu penso tal e qual como tu. Que não devemos correr atras e humilhar-nos quando não somos desejadas. Mas não haver explicação fez-me procurá-lo 3 vezes.
Uma delas pessoalmente, em que ele não foi capaz de dizer nada...só chorava.

Hoje, não consigo procurá-lo mais, só porque tenho medo que doa ainda mais.

Cat disse...

Eu penso "só paro quando chegar ao chão. Quando souber que não há mais nada para saber, mais nada que possa fazer". Mas neste caso, não consigo. Ainda tenho aquela pequena esperança que vou acordar deste pesadelo.

SF disse...

Baby,
Passei por uma situação semelhante à tua e foi dos maiores desgostos que tive na vida. Realmente dói muito dar-se totalmente e depois tudo terminar sem uma razão lógica. Por mais que eu buscasse nunca soube o porque de terminar tudo e doía cada vez mais porque as palavras de um dia " vamos ficar juntos para sempre" tinham-se transformado num "nunca mais, não mais". Tantas e tantas vezes o procurei e as coisas correram mal e sentia-me cada vez pior...os meus amigos diziam-me para deixar-lo, que o facto de ele se ir para o outro lado do mundo ( que era donde ele sempre tinha vivido e apenas trocado a Argentina por Espanha durante algum tempo) já devia ser o suficiente claro para mim entender...e custou-me aceitar. Queria fazer de tudo e só desistia enquanto soubesse de tudo, queria ter uma explicação razoavel, algo, sei lá, por pior que fosse para poder dormir descansada ao menos e pensar que tinha sido por aquilo, mas não havia nada, só um vazio e muita vontade dentro de mim que dizia que nunca mais me voltaria a apaixonar nem a dar-me tanto a outra pessoa.
E hoje chego à conclusão que, a pesar de que preferiria ter tido uma explicação, fiz bem em deixar de o procurar, de querer saber porque só me estava a destruir e a alimentar-lhe o ego.
Acredito verdadeiramente, que tudo o que se passa nesta vida é por algum motivo. Se ele um dia foi teu voltará, se não voltar é porque nunca foi teu, e quanto a ti verás que depois de bem curado e encarada esta situação é possivel encontrar o verdadeiro amor, porque há pessoas sim que podem amor para sempre e incondicionalmente.

J. disse...

apesar do desfecho de toda a situação acho que vai ser impossível para ti colocares um ponto final na vossa história, enquanto não souberes as verdadeiras razões. e isso é mais que natural! não estou a dizer que te humilhes, só acho que as coisas não terminam na tua cabeça enquanto não estiveres minimamente orientada e entenderes o que se passou. ainda assim, acho que esse momento chegará muito naturalmente e independentemente disso, deves viver a tua vida, continuar a sonhar, assim como ele está a fazer.

uma dose de força muito, muito grande :)

Cat disse...

SF, eu também quero acreditar que tudo acontece por um motivo. E é isso exactamente que nos dá força para continuar. É saber que muito mais (e melhor) pode vir por aí fora.

Beijinho*

João disse...

Sem dúvida uma das sensações mais sufocantes que se pode sentir.
Não quero fazer juízos de valor e suposições mas na maior parte dos casos existe alguém. Já passei por isso e senti o mesmo que tu mais do que a dor de nunca mais a ver foi o não saber o porquê, acabei por descobrir por portas e travessas e depois disso tudo ficou mais fácil.
Cada caso é um caso, no meu a incerteza a dúvida não me dão descanso.

#Sí disse...

Querida Cat, infelizmente eu também estou a passar uma fase difícil, só que a pessoa em questão não está do outro lado do mundo, está apenas a 5 minutos da minha casa. Contudo, também não quer falar comigo, mas não querendo fazer comparações, caso fosse eu a passar por isso não descansava até ter as respostas a todas as minhas (tuas) perguntas, só assim conseguiria arrumar a minha cabeça, virar a página.
Eu sei que dói, sei que é chocante e parece irreal, mas quem sabe quando tiveres essas respostas consigas seguir em frente.
Não sei se é o caso, mas se houver alguma esperança de resolver as coisas desejo-te a maior sorte do mundo, quem sabe ele não se afastou por um motivo verdadeiramente importante e lógico...ou não.
Força Cat, dá novidades.

nikki disse...

Cat identifiquei-me muito com este post... também eu me tornei uma pessoa pior, fria, que não acredita no amor e que duvida de tudo e de todos... mas eu tive uma explicação... exigi e massacrei durante uma semana e tive-a ... existia outra pessoa, mais do que uma até, e existia sobretudo indiferença, desinteresse e falta de amor... sobretudo falta de amor e acredito que se alguém nos faz isto não nos ama e não merece nada de nós... por isso muita força e um dia de cada vez, vais ficar bem.
bjinhos

Joana disse...

estava a navegar e encontrei este post. No outro dia ouvi uma coisa "se a pessoa não quer saber de mim, não me vou permitir querer saber dela". Acabar nunca é do nada, as pessoas vão desligando-se e apenas avisam quando o processo está completo e nós deste lado não damos conta, mas eles já se despediram há muito. Não duvides que alguém te amará futuramente, não lhe dês o poder de determinar as tuas crenças, ele era uma pessoa importante e deixou de ser. Haverão mais pessoas importantes e talvez isto te permita relativizar as coisas.

Cat disse...

Obrigada Joana. As tuas palavras fizeram todo o sentido.